14 de outubro de 2010

Orgulho e preconceito

Existem certos sentimentos que convivem muito próximos, perigosamente separados uma linha muito tênue.

Orgulho e preconceito são dois conceitos que, por exemplo, volta e meia se confundem. Orgulho, no sentido positivo da palavra, é bom, nos engrandece, nos traz satisfação conosco mesmos ou com algo que fazemos, conquistamos ou admiramos. Porém, é muito fácil, e por isso tão perigoso, acharmos que nosso orgulho sirva como um instrumento de diferenciação social. E aí o orgulho toma a conotação negativa que tem, e geralmente vira preconceito: puro, simples e condenável, sob qualquer espécie.

Considero-me um bom observador, no sentido de que gosto muito de “ler” situações e pessoas, em circunstâncias específicas. Existem certas situações que são sintomáticas de orgulho e preconceito. Pequenas, grandes, veladas ou escachadas. Por exemplo, aqui no sul do Brasil onde vivo existe um grande orgulho – do qual compartilho - da nossa história, das nossas iniciativas e posições como povo. Algo que desperta admiração não só entre nós, mas também de muitos que nos percebem orgulhosos de nossas raízes. Ocorre que muitos não têm orgulho do povo que somos, mas do povo que seríamos comparativamente a outros. Como se houvesse um manual do “melhor” e do “pior” de como definir-se como ser humano, em se tratando de relações sociais, laborais ou comportamentais. Como se essa condição de orgulho não enaltecesse nossas qualidades, mas nos diferenciasse, no sentido sectário do “diferente”. E daí, volta e meia, advém vários conceitos prontos que na boca das pessoas soam como verdades incontestáveis e que na verdade são preconceitos sem nenhuma validade prática.

Outra situação bem comum se dá em determinadas situações sociais. Várias vezes presenciei cenas onde uma pretensa “classe”, “bom gosto” e “requinte” me são, veladamente, sugeridas como uma forma de diferenciação, auto-promoção, ou, se preferirem, de orgulho - no mau sentido da expressão. Se essas pessoas soubessem que nesses momentos sempre contenho um sorriso irônico de absoluta indiferença àquilo, talvez não me tivessem em tão alta conta. Educação e classe para mim não respeitam segmentação financeira, mas são claramente diferenciadas pela postura e caráter das pessoas. Talvez por isso quem me conheça bem saiba (ou estranhe) que eu dou a mesma atenção social para um funcionário empoeirado ou uma dama da sociedade X ou Y jantando comigo.

Resumindo, orgulho só é bom quando não acusa nossas próprias vaidades. Caso contrário, é ostentação, soberba...ou preconceito.

8 comentários:

Rosana disse...

Meu caro Daniel,
Orgulho é um sentimento presente na minha vida. O preconceito não é, com certeza. Orgulho senti agora mesmo ao ler teu post. É que sinto orgulho pelos outros...Chamo de orgulho um sentimento de extremo prazer em reconhecer nas atitudes, nas posturas, nos posicionamentos e nos ideais dos meus amigos, dos meus colegas de trabalho, da minha família e também, por que não, nas minhas próprias, DIGNIDADE, NOBREZA e RETIDÃO de caráter. Sinto orgulho por ter o privilégio de "estar" nessa platéia, de poder ser atingida pelos respingos dessas energias que só me fazem um ser humano melhor. Quero aprender, quero ser melhor e o orgulho que sinto por essas pessoas é um verdadeiro sinal de que estou no caminho certo! Obrigada pelo orgulho que sinto por ti. Abraços

Fernando Mynarski disse...

Acho que uma coisa interessante a respeito do ORGULHO é que ele muitas vezes interrompe o processo de crescimento pessoal da pessoa quando mal usado.

Léo W. disse...

Olá rapaz! Adorei o blog. Já estou seguindo :D superinterressante parabéns.

Leiliane Clemente disse...

uau, você fala muito bem, tem um poder muito bom com as palavras. já estou seguindo e vou divulgar o seu blog no meu também (:
parabéns

Simone disse...

oi daniel,
li seus textos e gostei muito. preconceito mata a alma de quem sente - atinge mais a esse do q àquele sobre o qual é jogado...
orgulho por algo construtivo, positivo é reconhecimento de vitória, inunda coração de quem sente...orgulho negativo, destruidor...esse só diminui e torna a vida medíocre...
quero te convidar pra visitar meu blog - textosepretextos2010.blogspot.com
um abraço,
simne

Lord Vader disse...

Sou editor do blog Ensaios e Manifestos e de passagem por aqui , gostei do teor dos textos. Gostaria de convidar o autor a conhecer a proposta e o teor do blog , assim como está convidado a nos enviar um texto de tema livre para a postagem , dentro do espírito do Blog de ser um banco de idéias , ensaios e manifestos
www.ensaiosemanifestos.blogspot.com
[ ]s !

Lord Vader disse...

Sou editor do blog Ensaios e Manifestos e de passagem por aqui , gostei do teor dos textos. Gostaria de convidar o autor a conhecer a proposta e o teor do blog , assim como está convidado a nos enviar um texto de tema livre para a postagem , dentro do espírito do Blog de ser um banco de idéias , ensaios e manifestos
www.ensaiosemanifestos.blogspot.com
[ ]s !

Matheus Peleteiro disse...

belo texto! abraco!