15 de fevereiro de 2009

Conversas de msn

Publicado em 04/06/2008
link do original:
danielsblog.blig.ig.com.br/2008/06/conversas-de-msn.html

Vocês já notaram como o tal do msn/skype/gtalk se tornou uma poderosa ferramenta de discussão das relações humanas? Pensem bem: quantos de vocês já não ficaram conversando sobre a vida horas com seus amigos? Falando ou ouvindo. Às vezes com pessoas nem tão próximas naquele momento, mas que naquele instante sentem necessidade de compartilhar determinadas situações. Conversas que talvez nunca tivessem oportunidade de acontecer, em outras condições.

Dias atrás iniciamos uma amiga e eu uma discussão interessante sobre caráter. Afinal, o que define o que é um bom ou mau caráter de uma pessoa? Será que cada um tem o direito de pensar e fazer indiscriminadamente o que quiser para ser feliz ou, mesmo dentro desse direito, há um limite de bom senso do que fazemos em relação às outras pessoas?
__________________
(*) diz:
Temos noções de caráter diferentes, Dan?

- Daniel - diz:
Não sei.

- Daniel - diz:
Por exemplo, quando eu nem namorava “oficialmente”, só ficava com uma pessoa há menos de três semanas... tive oportunidades mil pra ficar com um outras meninas quando viajei para Recife, mas não fiz nada que pudesse me arrepender depois. Questão de respeito a quem estava saindo comigo.
Quando, no final de um relacionamento, estava em crise e em vias de acabar, mesmo fragilizado e carente, tinha uma colombiana linda se jogando para cima de mim na festa de natal da pós-graduação...eu não dei abertura nenhuma para ela.

- Daniel - diz:
Essa é minha noção de caráter, não sei a sua.

(*) diz:
rsrsrs/

Minha noção de caráter é sempre ser honesto em tudo.

Não passar os outros para trás.

Eu me peguei pensando como as pessoas valorizam a hipocrisia.

E como isso é sinal de “status” hj em dia.

- Daniel - diz:
Frase interessante.

Mas em q sentido???

(*) diz:
É que eu não consigo enxergar beleza em alguém sem caráter.

- Daniel - diz:
Quem dera todo o mundo pensasse assim.
_____________

Naquele dia eu pensei muito no que disse minha amiga (*): “...como as pessoas valorizam a hipocrisia... E como isso é sinal de “status” hj em dia.”
Vocês já pararam para imaginar quão verdadeira é essa nossa condição hipócrita? Vivemos nos queixando de muitas coisas, mas quando somos nós que temos determinadas atitudes não é raro a gente ter sempre uma “explicação” ou uma “justificativa”.

Muita gente acha horrível a corrupção na política, mas as mesmas não falam nada se o caixa da loja cobrou menos na conta. Se alguém nos trai, é cafajeste ou vagabunda; mas se eu traio ou alguém trai para ficar comigo, é porque “acontece, a gente não controla o que sente”. Queremos segurança mas achamos abuso e “perda de tempo” quando temos que parar em uma barreira policial. Se um estranho discute em público no restaurante, é mal educado, mas se um amigo ou parente berra palavrões e xingamentos durante uma briga, apenas “excedeu-se um pouco”. Quem mais reclama do governo é quem mais sonega impostos. E por aí vai.

E nisso, estamos criando uma geração inteira de pessoas descrentes com as instituições e com os indivíduos. E adultos céticos e individualistas.

Sinceramente, ultimamente tenho refletido muito sobre essas pretensas pieguices de pensamento. Parece que ser sincero e autêntico é atestado de ingenuidade para com a vida. Será que não resta alternativa se não pensar que o “homem é o lobo do homem”? E que cada um cuide do que achar melhor para si, e esqueça-se o resto? O que vocês acham?

3 comentários:

Andrea Carolino disse...

Hum... agora quem parou para pensar na frase fui eu!

O grande problema é: vivemos em um eterno paradoxo. Ao mesmo tempo que nos é passado \"faça o que puder para ser feliz, não merça esforços... viva e não ligue para que os outros dizem... leve sua vida com lhe convem...\" (de uma forma até egoista); tbm nos são ditas coisas do tipo \"ame ao proximo com si mesmo\"!
Para mim isso tudo é EXTREMAMENTE paradoxal.

Verdade seja dita, a maioria de nós quando buscamos nossa felicidade ou estamos realmente felizes, tendemos a esquecer os demais, como eles estão, se minha felicidade pode vir a interferir de alguma forma (quer seja positiva ou negativamente) na vida dos outros.
Acho que carater está intimamente relacionado com respeito. Respeito comigo mesmo (sabe aquela sesação de puder colocar a cabeça no traviseiro e dormir tranquilo?) e respeito para com os outros. Não vou dizer que vc deve se anular para pensar sempre em outrem.

Em contra partida, algumas vezes temos que ser egoistas para nosso próprio bem (não vou esquecer nunca dessa frase dita por uma colega quando eu estava passando por uma situação dificil em um final de relacionamento).

Em suma: para mim carater anda junto com respeito e na minha opinião ser respeitoso não é ser hipocrita!

Wilma disse...

Boa crônica! A idéia era mais ou menos esta...

Anônimo disse...

humm, tu és muito diferente quando escreves, mas de certa forma muuuito parecido com aquele Daniel sempre correndo.
Voilà!